domingo, maio 01, 2011

Stella

Por Karina Lima
O Príncipe William e a Kate subiram ao altar, o combustível aumentou a largos passos, mas minha nada-mole vida segue na mesma rotina Aiai-meu-Deus: fila imensa de faróis, são 20h00, não consegui me desvencilhar do caos tipicamente paulista e, para o meu pesar, cotidiano. Panturrilhas em frangalhos, passar marcha é a minha academia compulsória diante dos vinte e tantos quilômetros que separam a Avenida Faria Lima do meu Lar, Doce Lar.

Ligo o rádio. Desligo. Tenho siricotico, vocês sabem. Olho para o lado, e observo os outros sabores de solidão nos carros ao meu redor: o cidadão que faz faxina nas narinas em público, o outro que se agarrou ao Blackberry como última esperança, o mongol que colocou o pescoço para fora assim como faz um cachorro de estimação, tentando especular se alguém pode ser esculhambado ou culpado pela pouca agilidade para acelerar nos semáforos... tem de tudo, e de mais nada eu duvido a essa altura do campeonato.

Maquiagem derrete, roupa incomoda, impaciência que não me sai: eu mesma não me aguento. Num momento de devaneio, penso longe: “Feliz é a Stella Benevides, que nem ao menos liga um DVD. Eu aqui, debilóide, querendo salvar o mundo equilibrada num scarpin...”. Naquele dia, talvez essa tenha sido minha suposição mais coerente.

Permitam-me, aliás, um parêntesis a esse respeito: costumo dizer por aí que minha vida se divide em a.S e d.S – antes e depois de encontrar Stella Benevides em um supermercado [quem não lembra pode se atualizar no texto “Prazer, Stella Benevides”]. Com Stellinha, assim como eu a chamo carinhosamente, aprendi uma penca de coisas, e presumo que o mesmo tenha ocorrido com vocês.

Foi com essa senhôura que eu me convenci, de uma vez por todas, que opinião é bandeira para hastear todos os dias, e não só para os feriados nacionais. Ostento, ainda, a minha incorrigível face de relações públicas do blog, mas me vi nos últimos tempos saindo do alto do muro, um recanto que eu dificilmente abandonava em nome da paz mundial, e da ameaça de conflitos. Sem perceber, comecei a dizer o que achava com muito mais freqüência e firmeza, e muito me agradei disso.

Foi com ela que aprendi a valorizar muito mais um “vá se foder” dito autenticamente e com eloqüência, ao invés de me contentar com uma meia-resposta vaga, falsa e carregada de politicagem. A doideira dela me faz crer, hoje, que palavrão é sábio verbete, quando utilizado devidamente. Minha fama de puritana vai me perseguir pra sempre, bem sei... mas que esse segredo fique, então, aqui entre nós.

Stellinha me ensinou que a boa música, via de regra, está em vinis que fazem mal às minhas zil alergias respiratórias. Ela ainda me odeia porque sei de umas letras bregas e de gosto duvidoso, mas trouxe para o meu iPod inúmeras faixas de Caetano, Bethania, Chico, Elis. Graças a ela, passei a olhar com muito mais atenção para mendigos, cães e gatos de rua. Sem nem mesmo ir ao médico, coisa que detesto, mais saudáveis ficaram os meus olhos e ouvidos, que passaram a funcionar em sintonia muito mais clara e limpa.

Com essa mulher que vocês bem conhecem, aprendi uma penca de lições sobre o meu maior emaranhado: o dos relacionamentos. Nunca me esqueço de quando ela me disse, sem nem me olhar muito e com aquele ar blasé de todos os dias, que romance não é opção: é falta dela. Eu, que sempre preenchia um questionário de 164 itens antes de comunicar o meu coração que eu podia me apaixonar sem restrições, passei a enxergar que o cara ideal não é, necessariamente, quem mamãe me diz ser o Príncipe montado num cavalo com trança embutida. E que romance não precisa de checklist. Caramba, como Stella me fez sentir burra!

Aquela véia maluca não me ensinou, felizmente, a me afeiçoar por whisky e cigarros – continuo surfando bem longe dessas ondas, mas ela é meu maior recibo de que a gente pode ser muito diferente de alguém, mas mesmo assim enxergar um mundo de coisas admiráveis nessa pessoa, e se sentir gigantemente orgulhosa pela sorte grande de tê-la conhecido um dia.

O melhor de tudo é ver, afinal, que com ‘acidentes’ feito esse, a gente larga mão da mania besta de presumir o valor de um presente só porque viu que a embalagem é bizarra, tem selo de inflamável, e cheira fortemente a álcool.

Ah, e tiete é a sua vovozinha, antes que eu me esqueça.   ;-)

30 comentários:

  1. Nossa, eu nunca vi uma homenagem/declaração de amizade tão bonita e casual! Adorei!
    Fiquei até com vontade de conhecer a Stella e ouvir as lições dela! Hahaha
    E outra: tô aqui o dia todo lendo e relendo os posts do blog, e nossa, como tô adorando! E ainda digo que penso e concordo plenamente com a Lilian.
    Principalmente quanto ao post sobre Ateus e À toas, e sobre depressão.
    Tô seguindo e continuando a ler tudo o que perdi. Se o blogger tivesse um gadget de notas, a minha para o Mulherices seria um dez bem redondo.

    Parabéns não bastam... É extraordinário o conteúdo daqui!

    Hakkyo Hoppier

    ResponderExcluir
  2. aprendi a valorizar muito mais um “vá se foder” dito autenticamente e com eloqüência, ao invés de me contentar com uma meia-resposta vaga

    falou tudo ahhaah

    ResponderExcluir
  3. Um bacana esse texto que colocou realmente muito legal

    ResponderExcluir
  4. Uaua! que textoo! vc escreve muuito. :)
    http://oicarolina.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Texto muito bem feito
    Parabéns

    O por que de eu achar que os EUA mentem sobre a morte de Bin Laden:
    http://rasgueverbo.blogspot.com/2011/05/o-bin-laden-morreu-sera-mesmo.html

    ResponderExcluir
  6. Que leitura gostosa menina..Adorei!Voce poderia apresentar-me a Stela? ;)

    Eva_ Hewson

    ResponderExcluir
  7. oi,menina
    segunda vez que venho aqui e mais uma vez um belo post.
    parabéns pela escrita e pelas sacadas nos temas
    Stela?Me lembra uma bela cerveja.kkkkkk

    bjos
    Aguardo sua visita

    http://nos4.wordpress.com/2011/05/02/ha-17-anos-uma-despedida-forcada/

    ResponderExcluir
  8. Uau... Eu fiquei sem palavras... é a primeira vez que eu leio um post tão dedicado!

    ResponderExcluir
  9. Karina... que belas palavras! Emocionei-me! demais! Algo que adoro é o toque de humor dentro de algo bem intenso.

    ResponderExcluir
  10. adorei teu blog!
    post maravilhoso!
    bjus
    www.blogdatruzzi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Adorei seu blog, título bem original!
    Quanto ao post: você aprendeu com Stella, e nós com o que publicou aqui. Parabéns!

    Ps: humor na dose certa!
    Beijo!

    http://mainocencio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Nossa!!!

    Era o que eu precisava, depois de um dia cheio como o de hoje.
    Adorei o blog como o todo e amei os textos, principalmente.
    Definitivamente mulherices é isso tudo: inteligência e sensibilidade.
    Vou te linkar no meu blog, se vc permitir.

    Grande Abraço!!!

    ResponderExcluir
  13. Muito bacana seu blog :)
    Lindos textos, parabéns!

    www.equemnaoamaviajar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. A tirinha do Osama bombou!

    Já ultapassamos os 50 comentário e viemos aqui para agradecer sua participação. Seu comentário é muito importante para a gente!

    Equipe OzMose
    http://ozmosecerebral.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Muito interessante o seu blog. Parabéns pelo excelente trabalho. Obrigado pela visitinha! Quando puder, apareça novamente. Desejo-lhe sucesso e prosperidade. Um abraço!

    ResponderExcluir
  16. É sempre bom ler uma declaração de amizade assim, sincera e espontânea como a própria Karina (Corazón de melón)! Parabéns pelo post, pelo blog e por essa pessoa mágica que você é! V.Sa. sabe que sou seu fã número 1!! Grande Beijo!

    ResponderExcluir
  17. É muito salutar ver explicitada uma declaração de uma grande amizade. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Em tempos de politicamente correto, é comum todo mundo ficar em cima do muro, e seguir a vida como se fosse uma fórmula de física, onde o resultado final, mesmo que óbvio, dá um trabalho danado pra chegar. O bom mesmo é ser o que somos, e que dane-se essa de politicamente correto. O correto mesmo é cada um ser o que é, agir com naturalidade, e acima de tudo, passar a olhar mais para o mundo que está à sua volta do que para o mundinho que cada qual criou pra si... Taí, não conheci, mas acho que ia me amarrar na tal ta Stella... Ela sim sabe ser feliz!

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. nossa seeu bloog ta lindo ,maravilhoso *-* oos textos entãao nem se fala .

    segue e comenta o meu http://seempreaoseulado.blogspot.com

    divulge seeu blog :

    http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=113877018

    ResponderExcluir
  20. Todo mundo só reclama dessa merda, não sei pq ainda tem gente q insiste em sofrer nessa cidade.

    ResponderExcluir
  21. Texto muito bem escrito e com sentimento! Amei!
    Até q esse engarrafamento de sp te passa alguma inspiração, hein.... rsrs

    http://www.ocotidianodecadadia.blogspot.com/

    Até

    ResponderExcluir
  22. Gostei muito deste texto!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. Muito bom seu post. O começo muito bem descritivo. Digno de livro. Além do bom humor que me fez rir muito me fez ver também toda a cena. Gostei. Também gostei da homenagem no fim. A frase que me fez rir mais foi: "Caramba, como Stella me fez sentir burra!" ...kkkk...

    Pareceu que você estava na minha frente conversando comigo. XD

    Parabéns a você e a Stella!

    Abraços!

    http://neowellblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir