sexta-feira, novembro 19, 2010

Se eu fosse Presidenta

Por Karina Lima
Se a Festa [Obrigatória] da Democracia tivesse me brindado liderança absoluta nas urnas, estou certa de que ainda não teria pregado os olhos direito por nenhuma noite inteira. Só de pensar no reboliço que isso poderia representar na minha-nada-mole-vida, minhas tripas ameaçam enroscamento geral, curto circuito e pane generalizada. Confabulei a respeito dessa pauta há pouco e quase fundi meu pobre cérebro tentando construir um plano imaginário de governo -- pairou até cheiro de queimado na varanda da sala de estar. O jeito foi compartilhar aqui só o que sobrou assim que desisti -- claro -- dessa tarefa. Não há remédio, isso é o que temos para hoje.

Conto que um dos meus primeiros pensamentos sobre o assunto, olhando para um cursor piscando na folha pálida do Word, foi: se eu fosse presidenta, investiria pesado em educação para o máximo de pessoas, incluindo o Tiririca. Abrangência integral: desde a cartilha com a lição da pata que nada até o ensino profissionalizante e a graduação, porque deliro para ver na ativa uma usina de cabeças que brilhem no mercado de trabalho, que mostrem o pensamento além do cafezinho da firma. Organizações que empreguem gente que queira mais que enganar o patrão no horário comercial.

Se eleita, eu posicionaria o sistema prisional como a principal via para a ocupação de mentes perigosas: se detentos produzissem zilhões daquelas cadeirinhas de bebê obrigatórias no país, quem sabe assim não pararíamos de receber trotes lá de Bangu, né? Essa gente anda ociosa demais. E olhe lá que trotes são pouca coisa dentro do que esses garotos malvados ‘produzem’ enquanto vêem o sol nascer quadrado, se é que vocês me entendem.

Se eu ocupasse o cargo mais alto na nossa política, não escaparia do estigma de combater a sede e a fome – é duro admitir, e a Madame Mayara Petruso não aprovaria isso de modo algum, mas aqui no nosso chão há uma série de urgências: às vezes, em meio à caatinga ou em um barraco modesto, não há tempo de esperar que uma criança aprenda a tabuada do 6, para depois alimentá-la com tutu de feijão. Encantaria-me representar uma nação que tivesse apenas fome de saber, fome de justiça, fome de inovação... mas não poderia, de modo algum, fechar os olhos para a fome latente de panela, brutalmente presente, cruel vilã que ainda ceifa tantas vidas, todos os dias.

Se eu fosse essa autoridade exemplar, investiria primeiro nos leitos e na infra-estrutura de Hospitais Nacionais, de responsabilidade do Governo Federal, para em seguida fazer valer o conceito de Humanização Hospitalar: quem dera contar com locais onde corpos e mentes fossem curados, todos os dias. Um sonho, uma nova fronteira – a saúde iria fazer valer o seu próprio significado, produzindo novos sorrisos.

Governando o Brasil, daria nele um choque de gestão empresarial, porque a Máquina Nacional está com as pilhas bem fracas. Meus ministros, por exemplo, seriam escolhidos por headhunters -- nessa vida, não há milagre sem prévia romaria, certo? Na Segurança, buscaria incessantemente profissionais com a bagagem moral e a fibra do Capitão Nascimento – dentre os materiais de escritório, sacos plásticos teriam grande estoque. Só por precaução.

Conduzindo um país, criaria um vestibular para pré-aprovar deputados e senadores – seria o fim da ditadura dos submongolóides. Para aplicar no processo de candidatura, seria mandatório saber estruturar projetos, falar com coerência, comprovar experiência, não ter o ‘sobrenome’ de alguma fruta, não ser cantor do KLB, não ter ganho visibilidade por ter agredido mulheres. Ah, não menos importante: bigodinhos safadjeenhos a la Sarney, nunca mais na história desse país. [Alô CQC, Pânico e Trupe dos Cassetas: com isso, suas pautas precisariam urgentemente de alguma novidade, a fonte secaria... né?]

Se eu fosse presidenta, procuraria um personal stylist e usaria gloss nos lábios. Tenho ciência, aliás, de que barba cinza e nove dedos são as tendências para o momento no cenário pop, mas eu tentaria inovar e quebrar esse tão forte paradigma. Ah, e se eleita, daria um Nintendo Wii pro Serra se ocupar e adquirir hábitos mais, digamos, vivos. [Oká, cessaram as minhas maldades. Parei por hoje.]

Uma vez aclamada chefe de governo, cortaria o barato de toda a corja que planeja mil patifarias com as obras superfaturadas nos estádios de futebol para a Copa. Ah, e no meu governo, o Corinthians jamais teria sequer menção na pauta “abertura dos jogos”, não mesmo [não coloquem minha mamãe no meio, xinguem só a presidenta]. Empenharia-me ao máximo para impulsionar o Brasil em seu momento de maior plenitude e evidência através desses incríveis eventos -- a briga seria feia, mas muito válida, estou certa.

Se eu ganhasse a corrida presidencial, não incluiria o rosa choque nas cores da bandeira nacional, e nem sairia por aí bradando a vitória suprema feminina, independente, arrojada e purpurinada. Não é preciso ter muito esclarecimento para saber que homens e mulheres possuem habilidades distintas, e que competência, meu povo, é bênção assexuada: você é aquilo que pratica. Esse papo feminista me dá uma preguiça...

Governando lá em Brasília, ouvir o Hino Nacional me causaria ainda mais comoção – veja lá que hoje meu pobre coração já acelera só em escutar os primeiros acordes dessa melodia, hein? Eu poderia ter zil desejos de realização e um número sem-fim de desafios, mas talvez um sentimento maior fosse dividido com vocês: de que minha luta diária seria em prol de desmanchar o nó na garganta que está aqui, mantido graças a um sistema injusto, covarde e mesquinho, que castiga quem faz a lição de casa e beneficia encapetados que se comportam pessimamente mal.

Só valeria a pena virar Presidenta sendo, mesmo, excelentíssima.

41 comentários:

  1. Karina você matou a pau com esse texto, é fantástico.
    Já tentei me colocar no lugar do presidente pensando no que eu faria se estivesse lá, confesso que pensei na educação, na saúde, emprego, acabar com a corrupção e algumas coisitas a mais, porém, nunca cheguei tão longe como você colocou aqui.
    Parabéns posso dizer sem sombra de dúvida que este foi um dos melhores textos que já li nessa blogosfera.

    ResponderExcluir
  2. Presidenta?
    Mas, afinal, que palavra é essa?!?!?
    Bem, vejamos:
    No português existem os particípios ativos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante...
    Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
    Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte. Portanto, à pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do gênero, masculino ou feminino. Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz estudante, e não "estudanta"; se diz adolescente, e não "adolescenta"; se diz paciente, e não "pacienta".
    Um exemplo (negativo) seria:
    "A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta. "

    ResponderExcluir
  3. O mesmo anômino disse....
    eis o "ente" que nos faz pensar que tem muita coisa pra fazer....q planejar se faz necessário...e que a democracia é uma urgência!!
    O povo tem urgência e o Governo...ahhh...este pela infelicidade de milhões...não tem pressa nenhuma...pra q???Tá tudo dominado mesmo!!

    ResponderExcluir
  4. Pensar em nosso sistema democrático me deprime, assistir não a festa da democracia, mas a festa da ignorância, da falta de educação, da leniência com a corrupção.
    Original o texto
    Att
    @hugopt
    Sem Anestesia www.hugopt.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Imagino que a Cristina Kirchner, Michelle Bachelet e a própria Dilma possuíram assessoramento suficiente para utilizar a denominação presidenta.
    Não sou nenhum especialista em português ou espanhol e meu conhecimento apenas resume-se a evitar usar "menas" na construção de frases, mas acredito que este texto proporciona uma reflexão interessante sobre o papel do chefe (ou seria chefa?!?!) de estado e deveria ser lido por todos os militantes para ajudar a formar uma opinião própria.

    É realmente necessário perder tempo com o gênero da palavra?

    Parabéns, Kari!

    ResponderExcluir
  6. "Um sonho, uma nova fronteira – a saúde iria fazer valer o seu próprio significado, produzindo novos sorrisos."

    Nossa parabéns querida pelo seu texto muito bem escrito!me passou uma clareza do que você quis passar.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  7. Eu simplesmente achei sensacional seu texto.
    Ao mesmo tempo mostrando preocupação com a atual situação do país, com a dirigente maior e levando para lado do bom humor.
    Muito bem sacado, parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Olha só, eu moro em Bangu e não te passo trote, ok?!
    Agora, caso você se candidatasse, certamente teria meu voto.

    JUNTOS CHEGAREMOS LÁ.

    ResponderExcluir
  9. Investir em um programa que vise a melhoria do ensino em todos os níveis. Colocar o detento para trabalhar e assim pagar o próprio sustento e aprimoramento, elem de manter a família aqui fora. A criação de meios da população plantar e manter-se sem depender de “cestas pobres”. Hospitais bem equipados, baratos com profissionais competentes. Ter as forças armadas e policiais comprometidos com a ética, com o censo de dever sendo honesto, bem pagos e bem treinados...
    Continuamos sonhando e querendo e merecendo, mas quando?

    ResponderExcluir
  10. Muito bom, a sua conclusão é esclarecedora. Independente do sexo do individuo no poder governamental do Brasil, o que importa são os seus ideais.
    Paz.

    Visita/Comenta meu blog?

    http://maisqueindelevel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Acho que o que importa não é homem ou mulher mas que tenha atitude.

    ResponderExcluir
  12. Bem...Karina Lima pra presidente nas próximas eleições, meu voto é seu...
    Por favor enviem esse texto pra Dilma...rs

    ResponderExcluir
  13. A idéia de "vestibular" para candidatos é excelente!! Um absurdo constatar que basta ter uma imagem pública que fulano consiga se eleger e assumir um posto ao qual a responsabilidade atribuida está muito aquém da sua capacidade intelectual, uma vez que tudo, absolutamente tudo será novidade.
    Penso que, pra qualquer cargo qdo o assunto é politica, o requisito mínimo que deveria ser cobrado para os candidatos é o de ter a faculdade de DIREITO concluída. O mínimo do mínimo para dizer a verdade!

    Vide Tiririca... ¬¬

    ResponderExcluir
  14. Retribuindo a visita
    Simplismente ameei seu texto.
    :)

    ResponderExcluir
  15. Independentemente do sexo que está no poder governamental do Brasil, o que me vale são suas ideias. O assunto política nos Brasil é algo decepcionante, mas não coloco a culpa nos políticos. Para mim, a culpa está no povo. Quem tenta um cargo, por mais falcatrua que seja, só é eleito por que ganhou milhões de voto. Portanto, quem vota é o culpado. E outra, para ver o nível de preocupação política que muitos tem é só observar que uma das maiores discussões que apareceram com a ultima eleição foi se a palavra presidenta existe ou não.. ah, para! Bom, excelente texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Eu adoro este blog! Aliás, está lindo! =)

    Seu blog foi indicado ao Prêmio Dardos pela qualidade de suas postagens! Espero que goste! =)

    Confira no link:
    http://neowellblog.wordpress.com/super-blogs/selos/

    Parabéns!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  17. Realmente , não importa se é um homem na "super cadeira" ou uma mulher... geralmente "qualquer decisão" acaba tendo que passar por uma votação na "assembleia corrupta", e infelizmente, o/a presidenciavel fica inapto de fazer qualquer coisa que ele "gostaria de fazer".(me corrija se eu estiver errada! fique avontade!).
    E eu tambem presentiei o blog com um Selo!
    na verdade... o MESMO prêmio dardos!

    http://blogkawai2.blogspot.com/2010/11/selos-selos-que-venham-mais-selos.html
    se quizer..
    vái lá pegar o seu Selo!

    ResponderExcluir
  18. Confesso que tive preguiça de vir ler esse texto. Meus preconceitos anti-tucanenses e demos é forte. Mas mesmo assim vim olhar, curiosidade sabe?

    E o que eu encontrei? Um os melhores textos que li nos últimos tempos.
    Parabéns mesmooo!
    Compartilhei de todos os seus pensamentos e se você Karina se candidatasse à presidência teria meu voto.

    ;*

    ResponderExcluir
  19. Ah, detalhe. Presidenta existe, tá? Só para avisar os desinformados...
    como também senatriz é também feminino para senador.

    ResponderExcluir
  20. Está pensando em se eleger? Eu voto ein, rs
    Muito bom o seu texto mesmo, misturando coisas sérias com o lado cômico. DEMAIS.

    ;D

    ResponderExcluir
  21. Fantastico o texto, parabens...

    segue meu blog abaixo, entrem, comentem, sigam se puder :D

    http://ramonborges89.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. hahaha, isso e muito mais coisa deve ser feita...gostei da parte do saco plástico
    haha

    www.feriasdopresidente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Texto muito boum fantástico
    Adoreiii

    Passa no meu Blog se quiser!
    http://nicolas-sabervivercom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Eae, tudo beleza?
    Eu vim agradecer ao comentário feito na postagem 'A Cara do Brasil' no meu blog, o 'Mais que Indelével' e também aproveitar para avisar que eu fiz uma nova postagem lá o blog, e gostaria de saber a sua opinião sobre o post, pra mim ela será de imensa importancia, rs.
    o post se chama Interação
    Virtual
    .
    Agradeço desde já.
    Abraços! ;***

    http://MaisQueIndelevel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Nossa... Impressionante como você escreve bem. Prende meus olhos na tela do computador de um jeito, que só me distraio com as lágrimas de risos que dou com você.
    Ri litros com "Tenho ciência, aliás, de que barba cinza e nove dedos são as tendências para o momento no cenário pop"
    Parabéns. Você é minha "Ídola".
    [Seu namorado tem muito sorte.. ;) ]

    ResponderExcluir
  26. Sabe o que eu respondia quando me perguntavam que eu ia ser quando crescer?
    Sim, a resposta era Presidente da República.
    Mas cresci, e cresceu comigo uma vontade danada de fazer bem apenas a mim e as pessoas que amo. Com o passar dos anos ocorreu um amadurecimento retroativo, se é que isso existe. Exatamente da forma que o poeta disse que "aquele garoto que ia mudar o mundo, agora assiste a tudo em cima do muro".
    Esse amadurecimento, no entanto, me fez ver que a melhor forma de fazer do seu mundo um lugar melhor é fazer o seu trabalho com eficiência. E não importa se você é um médico, gari, vendedor, advogado, farmacêutico, policial, presidente da república ou um simples analista de logística como eu.

    ResponderExcluir
  27. Eu já tinha lido o texto no dia em que foi publicado, mas não sabia exatamente o que deveria comentar. Na verdade, eu ainda não sei. Você disse tudo! A única coisa que eu enxergo é que, enquanto o voto for obrigatório, nada de excelentíssimo passará por Brasília.
    Parabéns, de novo, Karina! :-)

    ResponderExcluir
  28. Eu ia selecionar a parte que mais gostei de seu post para destacar no comentário, mas hoje eu colocaria seu post todo. Concordo com você e me surpreendi com tamanha qualidade e inovação, seu post é novo em argumentação. É gostoso pois faz sentido. Aprovo a ideia de que pra se candidatar tem que ser excelente, tem que ser da área e não bancar o espertalhão. Como pode esse país ter bandido na cadeia fazendo bagunça nas capitais mais importantes de nosso país? Governantes com tanto poder sendo eles vazios de atitudes satisfatórias? Nosso país tem pressa, nosso país tem gente morrendo todos os dias de fome, de doença, de medo... Como fica? Torna-se político, veste-se bem, come bem e o Brasil que desmorone?

    Linda postagem! Que você seja ouvida! =)

    Abraços!

    http://neowellblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  29. êêê, candidate-se nas próximas eleições!!! Beijossssss

    ResponderExcluir
  30. amei seu texto , muito bem elaborado..
    parabéns...
    Gostei mto da sua visita e do seu comentário, eu tenho uma certa loucura por cavalos que nem sei explicar direito...
    Sempre que poder visita meu Blog..

    bjs
    Elaine
    http://elainemoreno.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  31. Foda, ficou muito foda:O. Vou ler mais textos. Voltarei provavelmente!

    ResponderExcluir
  32. Nossa, seu post está ótimo e realmente transparece sua indignação com tudo de ruim que o país já viveu causado pela política. Eu até fico sem palavras para comentar, rs. Mas o que posso dizer é que realmente há muito pouco sendo feito pelo nosso país e que as obras e ditos projetos parecem ser mais para a propaganda do que para o povo propriamente dito. Combate-se o efeito e não causa deixando a batata quente para o próximo ou na panela para dar motivo de ficar mais tempo ali na cadeira presidencial.

    ResponderExcluir
  33. Incrível o texto. Crítica, provocativa e audaciosa!
    Vou seguir (:

    ResponderExcluir
  34. Engraçado que pessoas normais querem melhorar o país. Mas as opções que nos impõe (democraticamente) falam bem, mas não fazem p. nenhuma! Desde que nasci, ouvia meu pai dizer coisas assim. E o pouco que mudou, não foi pra melhor.

    E KK, seria melhor, se esse sonho se tornasse realidade, você ter um consultor de imagem que um personal stylist. Embora pensem que é tudo a mesma coisa, não. Há diferenças. Talvez por isso todos pensem que a presidente eleita é a Mônica... =D

    ResponderExcluir
  35. Texto crítico muito bom gostei =)

    Vc falou varias verdades de maneira elegante.

    Parabéns

    ResponderExcluir
  36. "Presidenta" é ótima!!! Pérolas da Dilma. Analisando seu texto deu pra ver que tem bastante conhecimento do assunto, realmente um bom post!

    ResponderExcluir
  37. Como conheci seu blog á pouco tempo, estou lendo primeiro os textos mais antigos. E esse me interesssou já no primeiro olhar, superficial, que dei. Já me considero um aprendiz seu, estou gostando muito de absorver toda essa "experiência" que você transmite a cada linha.

    Voltando ao assunto.

    Ocupar um cargo deste, não é nada fácil, embora muitas vezes um deputado tenha mais "poderes", e a figura do presidente seja mais representativa do que "efetiva". Tenho apenas 16 anos, e me interesso e MUITO por politica, é, sou um adolescente anormal. Enfim, só discordo com relação aos sacos plásticos, e reforço sua ideia pela educação.

    ResponderExcluir