sábado, fevereiro 12, 2011

Herói

Por Stella Benevides
Foi mesmo uma desgraceira o que aconteceu na Serra Fluminense e não houve como a gente não se sentir tocada.

Ta certo que eu detesto o enfoque sensacionalista de alguns programas de TV, principalmente aqueles que a gente conhece bem, cujos produtores rezam todo dia por uma tragédia e por muita gente morta pra garantir altíssimos índices de audiência. Acho que tem uns editores que chamam o repórter num canto, antes do coitado sair pra fazer a matéria, e ordenam:

- Se não arrancar lágrimas do telespectador, ta na rua!

O diferente lá no Rio é que foi uma tragédia que não escolheu vítima pela classe ou pela cor. Foi todo mundo. Pobre e rico. Gente que morava nas tais das “áreas de risco” e gente que tava ali, passando férias, em casas bacanas.

Não foi um incêndio na favela. Não foi um terremoto no Haiti. Foi muito mais “perto”. E aí, a gente assim, urbana, do asfalto, meio classe média, olha e se comove mais. E nem adianta ser hipócrita e querer negar: a gente se vê lá, podia ter sido com a gente.

Mas não foi.

E a gente, pela TV, fica olhando o esforço dos que foram lá ajudar, dos que foram lá levar água, comida, remédio. Dos que resgataram gente do meio da lama ou debaixo de escombros. Dos que foram lá salvar cães perdidos. Dos voluntários e dos profissionais. A gente se admira com o trabalho dos profissionais militares, policiais, soldados, bombeiros, sempre eles, sempre anônimos, sempre se estrepando todos pra ajudar quem precisa.

Aliás, fazendo aqui um parêntese, quando algum miolo-mole de “esquerda” tentar te convencer do contrário, é bom você se lembrar das tragédias e entender que militares, muitas vezes, são heróis. Na hora do perrengue, do aperto, do perigo, todo mundo quer ter um militar por perto.

Mas ... como não poderia deixar de ser, teve algo relacionado ao assunto que andou me irritando muito. Se não houver sempre algo que me irrite nas coisas meu nome deixará de ser Stella Benevides, né? Sim, eu sei que foi isso que você pensou. Pois é.

Eu ouvi de um monte de gente, por toda parte, a mesma ladainha, com algumas variações:

- Ah! Eu queria ir lá ajudar também!
- Ah! Se eu pudesse, ia lá ajudar aquelas pessoas ...
- Ah! Que vontade de ir lá ajudar a resgatar os cachorrinhos!
- Eu queria estar lá!

Eu queria, eu queria, eu queria.

Vem cá, me conta: queria mesmo? Queria ir lá ajudar ou queria aparecer na televisão? Assim, feito um Big Brother, onde uma meia dúzia de abobalhados é escolhida para ficar lá dentro, exibindo sua idiotice para uma multidão de abobalhados aqui fora.

Aliás, fazendo aqui outro parêntese, Big Brother é uma espécie de masturbação mental para após o jantar. As pessoas ficam olhando e sonhando com o que não podem ter. As mulheres, sonhando em estarem trancadas numa casa com vários bombadinhos de cabeça oca. Os homens, que têm à disposição várias gostosas vulgares e facinhas. E os gays ... Bem, os gays sonham estar lá pra poderem passar meses de papo pro ar, só fofocando e se exibindo, já que aparentemente é só pra isso que servem os gays do Big Brother: pra serem os palhacinhos da história.

Mas o que eu quero dizer é o seguinte: quem quer ajudar não precisa esperar por uma tragédia pra ajudar. E muito menos precisa esperar por uma tragédia “midiática”. Ou você acha que os que foram lá ajudar, profissionais e voluntários, são gente que fez isso uma vez?

Você quer ajudar? Eu aposto que aí no seu bairro tem uma mãe que não tem o que dar de comer ao filho.

Você quer ajudar? Eu tenho certeza de que aí onde você mora, tem uma família morando num barraco todo detonado e que precisa de reforma.

Você quer ajudar? Eu sei que debaixo da ponte mais próxima há um morador de rua precisando de alguma coisa.

Você quer ajudar? Aí na sua cidade também há cães abandonados com as mesmas necessidades daqueles perdidos lá na Serra.

Você quer ajudar? Num hospital, num asilo, num orfanato, que estão aí pertinho da sua casa, há quem precisa da sua ajuda.

E eu não estou falando de ajuda material! Porque se você me falar “Ah, eu contribuo mensalmente com a entidade tal ...”, eu vou te dizer: ótimo, parabéns, mas você não está ajudando, você está pagando alguém para ajudar por você!

Tem muita gente papuda por aí com síndrome de herói de poltrona.

Aproveite que já é quase carnaval e dê um pulo na 25 de Março. Lá está cheio de fantasias de Batman e de Homem Aranha pra vender. Compre uma, vista e saia fazendo macaquice pela rua. Se você tiver sorte, é até capaz de a Globo te filmar.

Se não, suba num prédio bem alto e ameace se jogar. Mas faça isso às 6 da tarde. Aí é certeza: o Datena manda uma equipe completa de reportagem pra cobrir o evento.

41 comentários:

  1. Como sempre, estás certissíma, Dona Stellinha.

    Para ajudar não precisa de nada grande e catastrófico. Sempre tem algumé bem perto, e precisando muito. Basta se coçar, né.

    ResponderExcluir
  2. Super Man? estou cansada de ouvir tanto... a liga da injustiça,rs
    para mim nós somos herois,e sempre teremos ao nosso lado alguém para ajudar.
    http://fabisocci.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Banho de desilusão. E tocou exatamente num assunto complicado pro homem, a solidariedade sem moeda de troca. Vai do homem ser egoísta e não se preocupar com nada que o atinja diretamente ou que esteja na sua linha do horizonte. É foda, mas fazer o que, é pensar que se o ápice da linha do horizonte de um homem é a casa do Big Brother, que então não servimos pra porra nenhuma.

    Abraço! ;)

    http://anpulheta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. O pior pra mim, eram os jornalistas, perguntando a uma senhora de 70 anos, que perdeu seus netos, filhos, enfim a familia toda, como ela se sentia.
    Isso foi o fim pra mim.


    Beijo

    http://oblogdivas.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Nunca me arrependo de vir aqui e ler os textos da Stella são sempre uma inspiração pra mim! Tb odeio jornalistas carniceiros....mas a questao da "vontade" de ajudar me tocou mais forte do que a tragédia.

    Esta certissima ao cubo. Tenho 1 amiga que é uma heroina como esta sendo descrito, de todos os dias, de quando for necessário e uma vez el saiu no jornal, meio q sem querer....e relamente sem vontade, pois nem o nome dela ela deixou mencionar. Ela faz o bem sem precisar de holofote.

    As vezes, só ajudar uma senhora a atravessar a rua já te faz se sentir bem consigo mesma. Essa é a moeda de troca na minha opinião. A sensação de paz quando se ajuda o proximo.

    ResponderExcluir
  6. Belissima visão!!
    Precisamos de pessoas com sua visão de real para construir um mundo melhor...
    E estas pessoas até existem e de montão... só que escolhem fazer completamente o contrário e trabalhar para o famoso "sistema"... quem sabe um dia nossa luta tem um final feliz!

    Meus parabens!!

    Leo Lago
    http://www.poeta-bastardo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Pra mim, pior que Datena, Balança Brasil e etc. são os programas de domingo como o do nosso branquelo nojento Gugu Liberato, que se mostra como se fosse um Jesus, um salvador.
    Utiliza da desgraça alheia, da emoção do pobre que está no buraco para garantir Ibope e lucrar seus milhões.
    Enquanto ele faz isso em um canal, no outro um gordinho(agora magro) faz a mesma fantasia na cabeça do povão, apresentando e idolatrando ex bbb e forçando emoção ao contar histórias de vida de globais.
    Pelo amor de deus, perda de tempo. A ignorância e a falta de disposição e preguiça do povo para apresentar na vida real atitudes boas é um espelho da cultura toda, ou melhor da tv. Sem conteúdo, sem uma cultura inteligente e sem conteúdo não vai formar cidadãos prestativos e realistas quanto ao que acontece a nossa volta.

    Gostei do post.

    Obrigado pela visita em meu blog, estarei passando aqui mais vezes.


    Jairo Assunção
    http://cafeecigarretis.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. A foto disse tudo e a continuidade foi ótima!!Parabéns pelo blog!!

    ResponderExcluir
  10. o pior foi um reporter perguntando para um mulher de 45 anos que tinha acabado de perder os 2 filhos e a casa:

    " e a senhora pretende fazer o que daqui pra frente?"

    Pelo amor de Deus, entendo que esse é o trabalho dele mas isso é pergunta que se faça?

    ResponderExcluir
  11. Nossssssa,muita verdade aí.Gostei de ver,bem que
    poderia existir mais gente como você. Não vou ser hipócrita aqui dizendo que eu não faço essas coisas,mas quando eu posso EU FAÇO (o bem é claro)!
    Muito bom mesmo. bjs

    ResponderExcluir
  12. Excelente crítica, também me cansei dessa porcaria de palcos para cobrir grandes tragédias. Esse desejo de comover as pessoas a qualquer custo. Acho que muitas vezes a mídia expõe o sofrimento daquelas pessoas como em um grande espetáculo onde o intuito é comover a plateia para ganhar mais dinheiro. E ainda por cima esses deprimentes pseudo heróis que acham que podem resolver os problemas do mundo se emocionando na frente da TV.

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Stella mais uma vez acertou na mosca, quem quer ajudar não precisa esperar nenhuma desgraça para fazê-lo, há muita gente precisando de ajuda.

    ResponderExcluir
  14. Concordo com seu post! Achei bonito e útil! =) Heróis de poltrona estão cheios né? É que televisão ainda não cheira, mas os japoneses estão produzindo um modelo de tv para os 5 sentidos! ...hahaha...
    Gosto muito deste blog pois diz a verdade porém de uma maneira direta sem machucar. Educa mesmo! ^^

    Desejo sucesso e felicidades para vocês! =D

    Abraços!

    http://neowellblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  15. REALMENTE, NÃO PRECISAMOS ESPERAR UMA ENORME TRAGÉDIA PARA AJUDAR AS PESSOAS. PEQUENAS ATITUDES PODEM FAZER UM MUNDO MELHOR SEMPRE. BELO TEXTO.

    ResponderExcluir
  16. Geralmente que faz esse discurso são pessoas que estão tentando convencer os outros ou a si mesmas de que é prestativa e humana. Esse discurso só aparece diante de situações nas quais não podem agir e assim fica fácil posar de boa samaritana.

    SE não falta gente pta ajudar, também não falta os "ajudadores de mentirinha" que não podem ver uma tragédia bem longe pra logo de prontificarem hipoteticamente, é claro, a ajudar. A vontade de ajudar parte de impossibilidade, não do espírito de solidariedade.
    __
    http://coracaoonline.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Adorei o design do seu blog!! Gostei bastante!

    visite o meu caso tenha um tempinho
    http://www.dicasdamariah.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. esse blog é realmente mt bom
    gostei bastante da mensagem desse post (:

    ResponderExcluir
  19. Gostei do blog,principalmente pelo nome.Gostei bastante do texto.
    Eu sempre acho que nossa sociedade lamenta muito incêndio em mansão e bem pouco os incêndios em barracos.Parece que os bens materiais queimados tem mais valor do que milhares de vidas.Uma pena!

    O que aconteceu no RJ nos deixa mais alerta,menos desumanos.Lamento profundamente o que aconteceu.Procurando um lado bom pra tudo isso,talvez seja o fato de unir mais as pessoas:pobres e ricos.

    http://lucirrodrigues.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Sua crítica está ótima! Quem quer ajudar AJUDA.

    esse Big Brother está vazio, superficial e sem graça.

    ResponderExcluir
  21. muitas vezes queremos da uma de horóis nos preocupando com a Mata Atlântica, send que não limpamos nem o nosso quintal...
    Coisas do ser humano!

    ResponderExcluir
  22. Olá, Mulheres! Gostei do blog! Bonito, bem pensado, leve e ágil. Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Essa mania besta do brasileiro de dizer, ahh eu queria mas não deu, realmente me irrita, é tão fácil se mexer e ajudar o próximo quando quer de verdade, mas algumas pessoas só percebem que existem pessoas passando fome quando veem no jornal nacional alguma matéria sobre a fome na Africa ou no Haiti pois vivem alienadas nos seus condomínios de luxo ou então se escondendo sobre a desculpa, eu queria ajudar só que não tenho condições financeiras, como se dar apoio moral ou simplesmente dar atenção para um idoso não fosse uma forma de ajudar tão bonita quanto dar dinheiro.
    Infelizmente vivemos em um mundo hipócrita em que cada um se esconde na sua própria casa e vive o seu mundinho de fantasia.
    abraços

    ResponderExcluir
  24. Heroi é quem tem a nobre atitude de olhar o seu proximo como a ti mesmo. Ajudar sem pensar na volta. Belo texto que você nos tras e com uma belissima descrição das relações humanas, porque não dizer.
    Um super e grande abraço pra você!

    ResponderExcluir
  25. para ajudar, basta querer, né?

    Beijoss aodrei seu blogg

    ResponderExcluir
  26. Parabéns, adorei!
    Muito legal e criativo seu blog
    Estou seguindo..

    Ruby;

    ResponderExcluir
  27. Adorei o texto.
    Realmente tem pessoas que ficam só no "queriam", como você, mas essas mesmas pessoas não olham a sua volta para enxergar que ao seu redor existe pessoas que precisam de ajuda.

    ResponderExcluir
  28. Muito criativo seu blog.A maior tragédia do paísvai ficar na nossa memória.

    ResponderExcluir
  29. Hipócritas adoram vestir suas fantasias de herói e ajudar a si mesmos.

    Brilhante seu texto...

    ResponderExcluir
  30. Prefiro os vilões!


    http://blogdocharque.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  31. Texto muito bem escrito.
    Acho tão babaca a idéia de "mas só eu fazendo não vai mudar nada". Acredito, sinceramente, que é de tijolo em tijolo que se melhora o mundo, com a ajuda de cada um.

    ResponderExcluir
  32. Pois é... lamentável - embora não seja só para lamentar, e sim para tomarmos atitudes. A cultura televisiva - excetuando poucos, pois a ordem é das grandes empresas - adere à dialética do mata e assopra, ou do assassina e ressuscita, ou pior ainda, do machuca para curar. Há uma vocação popular para a profissão de santo. Então, para que um santo posso realizar sua caridade, necessário é que exista quem precise de ajuda. O que a mídia faz? Dá isso ao povo. Persegue a doença e a exibe, causando uma falsa sensação de: Primeiro - Isso não é comigo!; Segundo - Estou na vantagem!; Terceiro - Se não for impotente, poderei salvá-lo. A questão é que muitas vezes, além da perseguição de crimes e doenças, uns ferem para que, tendo o remédio curativo, virem, inexplicavelmente, os seus próprios salvadores.

    ResponderExcluir
  33. boa gostei parabens!pelo blog

    ta ai o meu tbm se vc quiser retribuir


    ta ai meu blog de tirinhas em que eu mesmo
    crio as histórias e os desenhos
    espero que goste...
    http://zoeirasanimada.blogspot.com/,

    ResponderExcluir
  34. Excelente post!!! E aquela velha história que pouco se aplica: Fazer o bem sem olhar a quem...
    Gostei muito da descrição do herói de poltrona, sem contar os inumeros casos de pessoas que ficam horrorizadas e comovidas com casos de outras pessoas,na mídia, totalmente desconhecidas, e esquecem que do lado, bem pertinho, mas bem pertinho mesmo, há alguém precisando muito de ajuda e ela foi totalmente defavorecida apenas por não estar em um "BBB" contando seu "lamentável caso de vida sofrida!"

    bjs
    http://pontoetecetera.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  35. Noss seu blog é um dos melhores que ja vi ate agora,bem organizado vizual limpo,ao comtrario do meu uauhauha.
    estou seguindo se puder segui o meu tbm.
    http://futuroeletronico.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  36. ANTIGAMENTE, O PROCESSO DE AUTO-AFIRMAÇÃO ERA COISA DE ADOLESCENTES. HOJE TEM MUITO ADUILTOAINDA NESSA FASE. O EXEMPLO SÃO ESSAS PESSOAS QUE SÓ SE MOBILIZAM PRA AJUDAR OS OUTROS QUANDO ACONTECEM TRAGÉDIAS DESSE TIPO.

    ResponderExcluir
  37. Só para lembrar: mesmo as casas da população mais abastada, também se encontravam em área de risco. Portanto não importa a conta bancária...o problema é teimarmos em não respeitarmos os ciclos da natureza...porque ela há de vencer.

    ResponderExcluir