sexta-feira, julho 16, 2010

Elizas...

[Se quiserem me apedrejar – leiam até o fim]
Por Lilian Buzzetto

Sexo, violência, adultério, dinheiro. Um corpo desaparecido, investigação de filme americano, delegados altamente maquilados, assassino famoso e um bebê. Lá vem o caso Eliza para entreter, digo... revoltar o país. E a urubuzada da mídia transmitindo – quase em tempo real – todos os desdobramentos para seus urubuzinhos filhotes, digo... chocados telespectadores.

O país clama por justiça para mais uma tragédia da classe média, em um coro uníssono, porque – como num espetáculo de teatro – todos têm um texto pronto e o papel do público é unicamente se horrorizar e praguejar contra os assassinos. Particularmente, guardo minha compaixão para corpos que não pertencem ao rol dos exaustivamente procurados, para os que não tiveram uma vida “importante” e não terão justiça post-mortem. Das Elizas, Mércias e Isabellas da classe média, o Brasil inteiro já morre de dó. E suas famílias não precisam de discursos de apoio. Eu acho.

Falar da postura de vítimas é quase como mencionar corda em casa de enforcado*. É erroneamente visto como uma tentativa de justificar a violência ou exonerar os culpados. Preferimos tapar os olhos e beatificar aqueles que têm um injusto destino trágico.

Mas a história dessa vítima nos ensina e relembra de algo tão óbvio e importante: a humanidade não é uma raça completamente evoluída, composta de anjos de luz. O mundo continua cheio de filhos-da-puta apegados ao dinheiro e precisamos de cuidado com nossas atitudes para tentar não engrossar alguma estatística macabra.

Ainda assim, quantas vezes não escutamos que trouxas somos nós e que esperta é a moça que engravidou do cara certo? Tenho verdadeiro pânico dessa concepção de esperteza: golpe da barriga, golpe do seguro, golpe do baú, golpe, golpe, golpe. Está oficialmente instituída – e há tempos – a cultura da malandragem.

A Luciana Gimenez personifica a mocinha do conto-de-fadas moderno. Uma pessoinha mais ou menos, pouco competente, pouco inteligente, sem quase nada a oferecer, que ofereceu as partes de baixo à pessoa certa, no dia certo, e se valeu dos seus atributos femininos – mais especificamente, do útero – para ganhar a vida e a carreira. E que absurdamente é pintada como algum tipo de heroína genial.

Não avisaram às Elizas deste Brasilzão que, se tentarmos lucrar de uma forma que não seja o trabalho mal-remunerado de cada dia, podemos nos envolver com gente errada. Esta jovem encontrou o que há de pior e criou, de forma voluntária, um laço fatal com um monstro. E o mais assustador: havia um boletim de ocorrência acusando-o de tê-la agredido e tentado obrigá-la a abortar. Ou seja, ela sabia onde ela estava metida e teve a chance de se afastar com vida. Por que raios esta menina optou por voltar para a jaula do seu monstro? Por que mulheres bonitas, bem vestidas, minimamente cultas escolhem tal caminho sem atentar para os riscos?

Culpa de nossa cultura de busca cega por fama e dinheiro fácil que cria impressão de que gastar apenas uma noite para fazer um filho – sem precisar de anos de estudo e trabalho até uma aposentadoria que não virá – é uma atitude inteligente.

Morro de dó de mulheres casadas há anos com maridos violentos que nunca trabalharam e morreriam de fome se saíssem de casa. Tenho dó das que apanhariam do pai se voltassem para casa sem nada, com um filho a tira colo. Mas as Elizas, que têm uma condição bem acima da linha da miséria, podem fugir com, pelo menos, a vida. E se entregam em troca de uns trocos. Não estou comovida, estou perplexa.

Claro que sinto pena do fator individual e humano pelo que deve ter ocorrido com ela naquela noite trágica. Tenho dó porque ela deve ter percebido – tarde demais – que o preço de seu “seguro-de-vida” era sua vida. Deve ter sido aterrorizante: algo que ninguém merece passar, que não está certo e nem é justificável sob nenhum prisma.

Falemos das vítimas, sim. Como forma de alerta para todas as jovens mulheres que aprendem com novelas e revistas de fofoca que “o mundo é dos espertos”. Na vida, assim como no mercado financeiro, quanto maior a chance de ganho, maior o risco. E quem se mete com traficantes, bandidos ou tenta dar golpes está se aproximando voluntariamente da violência. E não há como prever se o desfecho será a lá Stephany Brito ou como o de Eliza.

Sei que estou estereotipando esta Eliza, esta Luciana, esta Stephany e até este monstro – e, como qualquer pessoa que vê a história de fora, posso estar completamente equivocada. E não é uma questão de achar que ela mereceu morrer por seu comportamento – porque NINGUÉM merece. Não há atenuantes – a culpa NUNCA será da vítima. NADA exonera os criminosos que merecem ser, como todos os assassinos brutais, apedrejados em praça pública amarrados pelo saco.

Não devemos condenar as Elizas porque a culpa é só de seus algozes. Só que esta é a oportunidade para gritar para aquelas que pensam em se submeter ao papel de chocadeira para ganhar a vida, que esse tipo de postura é perigoso. E, embora não devamos julgar comportamentos, devemos pensar nos nossos comportamentos, como proteção – porque dinheiro é dos mais antigos motivos para o crime. É nojento, não é certo, mas é real.

Acho que temos obrigação de tentar entender a dinâmica que levou a este resultado abominável, neste mundão que não é nada cor de rosa, como o mostrado nas revistas. E ao invés de ter pena – e até como forma de respeito – podemos aprender a lição: que pode ter sido o único legado que esta Eliza teve a chance de deixar.



102 comentários:

  1. poderia descrever numa só palavra o post:

    FANTÁSTICO!

    concordo com tudo que escreveu e tb fico indignado com acontecimentos como esses? mas as vezes fico pensando que se a mídia martela tanto em notícias assim é pq a maioria da população se interessa por histórias de violência. engraçado é ver uma multidão se reunindo na porta da delegacia pedindo justiça por uma pessoa que sequer conheceu. coisas do Brasil...

    qto as Elizas, fico indignado de como ainda somos um país machista que não respeita a mulher da forma como elas deveriam.

    parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  2. O que me preocupa não é a Eliza. Ela sabia onde
    tava se enfiando. O que me preocupa é a mídia e
    a polícia só darem atenção depois que tem um
    cadáver. Pra que serviu a delegacia da mulher
    então ? E a justiça que não prendeu o Bruno por
    agressão ?

    ResponderExcluir
  3. Não faltou uma vírgula!! Perfeito!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. é extamente dessa forma que penso'
    se em vez de ficareem horas a fio olhando pra televisão na espera de nóticias sobre o caso, as pessoas pelo menos parassem segundos para refletir os perigos aos quais podem estar submetidas, de acordo com suas escolhas'

    Parabééns, este post foi simplesmente perfeito'

    ResponderExcluir
  5. O dinheiro move o mundo, bem como alimenta as paixões, sejam elas de que espécie forem... Eliza escolheu mal e se deu pior ainda [infelizmente]
    Ótima reflexão!!!

    Beijão, Edilene

    ResponderExcluir
  6. Meninas e meninos mal orientados, sem futuro, sem esperança, sem (bons)exemplos. A TV mostra que o mal orientado assim como ele, ganha milhões, só porque rebola bem, faz posse de macho e ou gostosa em absurdos programas de tv. Coitados, eles querem ter aquilo tudo também.
    Triste o fim da chapelzinho Eliza. Geralmente quem tenta dar um golpe no esperto, perde todo o dinheiro que tem. E quem tenta dar um golpe no lobo sai...

    ResponderExcluir
  7. Sensacional!!!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Coisas desse tipo só acabarão quando as pessoas entenderem que dinheiro compra, quase tudo, só não compra valor, dignidade e todas essas coisas que não estampa sites de 'deslumbramentos inúteis'...

    Excelente texto, sempre!

    Dani

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, Lilian. Só isso mesmo. Eu acho. (hahahaha)

    ResponderExcluir
  10. Gostei mesmo, o difícil é a mídia, crimes assim acontecem todos os dias, o pior, por estatística 40 mil mulheres foram mortas por agressores denunciados no Maria da Penha. A maioria mesmo com liminar de distância foram atraídas por seus agressores. Infelizmente a realidade ainda é machista e não temos proteção mesmo. No caso da Eloá foi a mesma coisa, diziam que ela tinha provocado. Até quando as mulheres serão culpadas mesmo quando são as vítimas, e até quando elas cavarão a própria cova?

    ResponderExcluir
  11. Mulheres que só pensam em dinheiro, e homens que só pensam com a cabeça de baixo. Mistura explosiva. Inevitável que volta e meia saia alguém queimado.

    Grande texto!

    ResponderExcluir
  12. Ah, nada como uma avant premiere... De qualquer forma, sua radicalidade com relação a esse assunto é compartilhada por mim. Essa imprensa carniceira somada ao espírito de juristas natos do nosso povo me enojam. Tomara que essa biscate apareça em algum país escalafobético e dê um tapa na cara de todos esses que julgaram os supostos envolvidos no assassinato por antecipação.

    ResponderExcluir
  13. Ei, Lilian: você é uma das poucas mulheres que ouvi/li se pronunciarem com clareza e sensatez sobre o fenômeno "Luciana Gimenez". E achei muito interessante a lição que tirou dos últimos eventos em destaque na mídia. Prossiga!
    Beijo,
    R.

    ResponderExcluir
  14. Lilian, concordo com você. Que esse ao menos tenha sido o legado.

    Espetáculos midiáticos para vender audiência: são isso que são.

    Os dramas pessoais são o que menos importa....

    Todo é o tal do ponto na audiência, e os 5 minutos de fama.

    Lembrei de uma música do Walter Franco (Criaturas):

    "Comes e bebes e ris....
    Farta-te enquanto puderes...
    Pratica os teus atos vis,
    mas lembra que são mulheres..."

    Uma pena tudo isso ...

    ResponderExcluir
  15. É Lilian, seu texto me remte a duas músicas do Gabriel Pensador: Loraburra e Nádegas a Declarar.
    Parabéns pelo texto e pela ousadia! E como disse o amigo do comentário acima - PROSSIGA!

    ResponderExcluir
  16. Lilian, gostei muito do seu texto!

    Eu me questiono porque os homens, que podem vir a sofrer esse tipo de golpe, não se previne pra não engravidar essas mulheres?

    Eles propoem pagar mais para transar sem camisinha, vimos isso nos depoimentos dados por essas meninas de programa.

    Na questão de gravidez, a responsabidade é sempre das mulheres. Os homens deveriam rever isso.

    Depois eles simplesmente querem que aborte?!

    (Medo de escrever pra essas pessoas letradas. Desculpe os erros aí, gente. Espero ter conseguido passar o que penso...rs)

    ResponderExcluir
  17. Oportuna esse teu comment sobre as maria-chuteiras, era algo q eu não tinha pensado, dada a brutalidade do crime.
    ótimo post.
    Teu humor no Twitter é sempre daquele jeito ou tem dias melhores? ;P
    abraço

    ResponderExcluir
  18. Não podemos esquecer que hoje o que comanda o brasileiro são as bolsas. Bolsa familia, bolsa escola, bolsa vitor hugo,herchcovitch..

    ResponderExcluir
  19. Você vai ficar brava comigo se eu disse que concordo em gênero, número e grau com tudo o que escreveu?
    Bruno, sim, é um monstro, mas a Eliza não é nenhuma santa não.
    Alpinistas sociais, mulheres (e homens) loucos pela fama, pelos cliques e pelas aparências.
    Degradação humana em troca de momentos de holofotes. Ninguém merece!

    ResponderExcluir
  20. Impressionante este seu texto, Li!

    Olha, não sou nenhuma santa, confesso que às vezes dou uma de espertinha, bem como todos aqui. Mas eu e todo mundo possuímos consciência e bom-senso, cabe a nós ouvir nossa consciência e utilizarmos nosso bom-senso, coisa que não tem sido muito comum de se ver...
    e pq não? Porque fama e dinheiro nos cegam e nos ensurdecem
    Ás vezes não acontece nada de mais, mas a consequência, como no exemplo q vc mencionou pode ser fatal.

    Belo texto que diz um grande "ACORDA PRA VIDA" pra mta gente.

    Congrats!

    ResponderExcluir
  21. Adorei, como sempre escrevendo muuuuuuito...
    Te admiro muito...
    Continue escrevendo, você vai longe...
    Bjaum
    Ps. Sobre o post, concordo com tudo, me irrita a mídia aparecer só nesses casos, tanta gente morta todos os dias...

    ResponderExcluir
  22. Arrasou! Disse tudo, concordo com cada palavra que você disse, sem por nem tirar!

    ResponderExcluir
  23. Sei não, Lilian...
    Elizas, Brunos, "Luciantas" e tantas outras figurinhas premiadas(?!), pra mim, são fruto de uma cultura(??!!) que eliminou todo e qualquer tipo de valor que não seja o dinheiro e a "warholiana" busca desenfreada pelos 15 minutos de fama.
    Psicopatas, todos.
    Não sei se você viu uma gravação do Bruno na cadeia - ainda no Rio - onde ele comentava, com uma calma impressionante, que a Copa de 2014 ia ser difícil dele jogar e que o jeito seria ir pra Europa. Ou seja, o cidadão perdeu completamente a noção da realidade. Como todo bom psicopata, tudo o que atrapalha deve ser afastado do caminho não importa como. E isso aos incompletos 25 anos de idade!
    É de dar pena.
    Abs,
    Tiago.

    ResponderExcluir
  24. Como é antiga a lei do menor esforço, do mais facil... escuto que o mundo é dos espertos desde que me entendo por gente.
    Mas olha o mundo deles.
    Mesmo que nao tenha o desfecho de Eliza, nao tem um desfecho feliz. Nunca.
    Ninguem pode ser feliz tentando ser mais esperto que outro, mesmo se dando bem...
    Tenho dó dessa moça por todos os seus atos que levaram a esse fim. Tenho pena dos quefazem o mesmo. Tenho pena dos desprovidos de inteligencia, porque a unica culpa dessa moça é ter sido Burra!!

    ResponderExcluir
  25. Menina!!! Seu texto é no mínimo EXCELENTE!!!! Showwwwwwww!

    ResponderExcluir
  26. Lilian, não costumo ser aquela que levanta a bandeira feminista, não mesmo.
    Mas vislumbrei no seu texto alguma coisa que dá margem ao velho discurso " toda mulher no fundo é prostituta, quem mandou provocar? Teve o merecido". E tenho horror a qualquer coisa que possa fomentar este tipo de pensamento.

    ResponderExcluir
  27. E quem procura, acha! Colhemos o que plantamos. De boas intenções o inferno está cheio! Só me resta pena, apenas isso! Conseguir qqr coisa de maneira fácil é o pior doas caminhos, sempre foi. Se essas pessoas, no final se deram mal, é pq mereciam... Enfim, determinação e independência nos faz mais humanos. Damos mais valor a vida, por conseguir realizar nossos sonhos, com nossas próprias mãos, sem prejudicar ngm. Viver é tão bom! =)
    Bju,
    Lilian

    ResponderExcluir
  28. Muito bem escrito este texto!!
    palavras corretas! xD

    ResponderExcluir
  29. Lilian Parabens por mais esse texto que reflete a realidade "nua e crua" - como deve ser!!!

    Todos os dias ouvimos ou vemos notícias na mídia,de mulheres vítimas de violência. Mas, a pura verdade, é que na grande maioria elas são vítimas de si mesmas...São vítimas de seus "sonhos" de uma vida glamurosa, de uma vida mais fácil, já que não conseguiram ou tambem nem tentaram, como fazem a maioria dos brasileiros: ralando...

    Existem dois tipos de mulheres nesses casos: a esperta e as burras(desculpem, mas não há outra palavra)...Existem milhares de Elizas e dezenas de Lucianas e Stephanys espalhadas por aí...No caso de uma Eliza da vida, sobrou apenas a "fama" estampada nos noticiários policiais...

    Há uma inversão absurda de valores. Hoje a menina pega uma revista "Caras" e já se imagina naquele paraíso de conto de fadas e diz a si mesma: quero isso pra mim...

    A forma de como se busca é o que muda sua história. Dinheiro fácil e fama.. quem não quer??

    Bom, eu prefiro continuar no anonimato,mas, VIVA!! mesmo tendo quer levantar todos os dias as 5 da manhã e enfrentar a vida...

    twitter @arleidebraga

    ResponderExcluir
  30. Olá Lilian,

    Você tem uma propriedade de argumentação deslumbrante, ainda que o assunto seja a drama de uma realidade. Este post, me lembrou e muito um artigo que li acerca deste mesmo assunto, feito por Arnaldo Jabor, numa associação de palavras vocês fecham o elo, dizendo que este mundo não é nada cor de rosa. É preciso enxergar além do que se vê, como um protótipo de educadora que sou, uma das minhas argumentações e ações é olhar e querer enxergar. Que deste olhar reflexivo, venha com consciência e temperança para agir e co - atuar nesta sociedade como um agente ativo e não meramente como um passivo, atrás de rádios e televisões.

    Obrigada pela retórica.

    Se quiser e puder:
    http://memoriaspsicodelicas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. "Não avisaram às Elizas deste Brasilzão que, se tentarmos lucrar de uma forma que não seja o trabalho mal-remunerado de cada dia, podemos nos envolver com gente errada" - Você está corretísisma, a Eliza procurou, achou. Uma coisa não justifica a outra. A Eliza não foi a primeira, não vai ser a última. Nossos governantes não fazem nem de longe o serviço deles, em relação a Educação e Segurança Pública.

    Mas, quem procura fogo, acaba se queimando, Minha vó dizia isso. E eu que sempre segui o que minha avó dizia, por enquanto vou sobrevivendo.

    ResponderExcluir
  32. Sabe algo que me deixa mais perplexa ainda? A facilidade com que esse acontecimento vai sair da cabeça de todo mundo, assim que deixar de ser exibido nos jornais; no mesmo instante que essa mídia urubuzenta encontrar uma tragédia mais recente pra dar ibope. Pior do que enxergar as coisas apenas sob o ângulo apresentado pela mídia, é só enxerga-las quando ela lhe é imposta devido ao tédio. As pessoas fingem indignação, mas elas estão pouco se importanto pra Eliza, ou quem quer que seja. Logo mais aparece uma nova Isabela Nardoni, ou quem quer que seja, a raiva será direcionada para um novo assassino, e assim as coisas seguem. E ninguém está nem ai.

    ResponderExcluir
  33. Parabéns pelo seu texto, retrata uma realidad que infelizmente a imprensa não mostra.
    A imprensa quer audiência, o povo coloca Elisa como uma coitada.
    Tá bom osse ela o que fosse nada justifica seu assassinato, mas como você colocou no texto - Ela sabia onde estava se metendo.

    ResponderExcluir
  34. muito BOM...
    é o que vemos diariamente, uns com finais trágicos, outros com "finais felizes". Quem não anda vendo por ai mulheres lindas e loiras e morenas e ruivas com homens gordos, velhosou feinhos com seus carros importados?! ... sem preconceitos. Ok

    ResponderExcluir
  35. Parabéns pelo post,bem realista e mostraq como as pessoas vivem na ilusão vendida pela mídia e empresas!
    E pessoas erradas atraem pessoas erradas!

    ResponderExcluir
  36. Eu estou perplexa, perplexa pois parecia o texto podiaperfeitamente ser meu, outras palavras, mesmas idéias. Enquanto um maioria lamenta "pobre menina, tão jovem", eu me irrito "caramba, a burrice da humanidade não tem limite?".
    Eu na verdade estou feliz com o trabalho da mídia nesse caso, faz extensa e cansativa cobertura, sim. Mas sem lamúrias o menção de dó, vai atrás mas não faz suposições, ao não ser os sensacionalistas insuportáveis, masesse são capazes de transformar roubo de laranja na feira, em caso da INTERPOL.
    E que um dia mais mulheres possam perceber o absurdo de tudo isso, de vender a própria vida, a liberdade, por grandes maços de papel.

    Vim para agradecer sua visita e adorei, estou seguindo. Fico feliz em saber que você devora futebol, eu também, amo ver mulheres que gostam de verdade, ainda tem muitas que se afastam do "esporte de homens", em pleno século XXI.
    nos viste sempre sim, siga e sempre, sempre comente, eu vou adorar, parabéns pela inteligência, e pelo texto bem escrito.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  37. muito bem colocado o tema, de forma crítica, sensível, respeitosa e, o principal, alertando àquelas possíveis futuras vítimas.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  38. gostei do texto e dos macaquinhos.

    bjs.

    @fredxxxx

    ResponderExcluir
  39. vamo falar real moça era uma puta maria chuteira
    atrás da grana
    mas também não era pra matar

    ResponderExcluir
  40. Concordo integralmente com o texto.Só faço uma ressalva qto a motivação do crime.desconfio que exista algo mais.Por mais burro e animalesco que o tal Bruno seja,è muita pataquada p/ um caso de reconhecimento de paternidade.

    Parabéns,mais uma vez, pela coerência e lucidez.

    ResponderExcluir
  41. Paralelos aos crimes que comovem o Brasil há outros tão ou mais sórdidos acontecendo. A prioridade é mesmo o espetáculo. Seu post é impecável. Passo aqui sempre que você escreve.

    ResponderExcluir
  42. Uau !!!
    Todo mundo falando só do Bruno e vc viu o outro lado da história, meus parabéns !!!

    www.prisclainfashionland.blogspot.com

    ResponderExcluir
  43. Porra Lilian, mandou benzaço...
    Gosto de pessoas que conseguem enxergar o além ou o por trás. As pessoas fica chocadas com o que está acontecendo naquele momento mas esquecem que coisas piores estão já acontecem há muito tempo. Temos várias provas de que tentar ganhar a vida invejando a vida alheia não dá certo, pena ser exatamente o que acontece com essas meninas que se entregam à esses caras, esses lixos sem índole que só deturpam a nossa espécie, seres humanos. Quando se fala em dinheiro e poder, muita gente sai da humanidade e acaba por cair na bestialidade, ultrapassando a barreira animal, já caindo no grotesco. Mas é assim mesmo, revoltante, porém não temos mais como nos livrarmos do senso comum, o mundo já está entregue ao pão e circo. Felizmente existem pessoas que ainda conseguem enxergar o que está além da mídia.
    Muito incrível o seu post, me manda um banner pra eu anunciar no meu blog, esse eu senti que vale a pena.

    ResponderExcluir
  44. Muito bom o texto, não me alongarei demais porque há um texto sobre o mesmo assunto em meu blog, caso queira dar uma olhadinha é esse aqui http://jardim-das-hesperides.blogspot.com/2010/07/midia-comanda.html

    Complementando: Acredito que tenham outras pessoas que olharam para esses acontecimentos de maneira diferente, porém, nada fizeram para mudar alguma coisa, apenas pensaram e deixaram esse pensamento ir embora assim como veio. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  45. Olá!

    É tão bom chegar "por acaso" a um blog e encontrar um texto inteligente e que trata muito bem das palavras. Parabéns.

    Este caso da Eliza e do (ex)goleiro ganha os holofotes da mídia e de um público sedento por violência - o ser humano gosta disso, não é? Basta verificar a trajetória da humanidade neste lindo planetinha. Felizmente ainda existem os idealistas, pacíficos, também chamados atualmente de "otários".

    O que a Eliza, Luciana, Adriane, Bia, etc e etc fizeram nada mais é do que tentar "se garantir" para o futuro. Algumas até conseguem, outras não. Curioso ver essa tentativa de "ascensão social" através de um affair com um jogador, rock star, piloto, ator, empresário, político. Como é mesmo o nome daquela moça que quase derrubou um senador? E daquela jornalista que tem um filho com ex-presidente da República?

    E é de se notar também uma certa "disputa" de poder. A garota grávida do jogador rico e famoso, casado, tenta um acordo pra garantir uma gorda pensão pelo resto da vida ou ao menos pelos próximos 18 anos. Se ele não fizer por bem, faz por mal. E aí, bonitão, vou à imprensa e boto a boca no trombone; e o jogador tenta fazer o acordo, tenta abafar o caso - afinal tem a questão da imagem; no último caso, resta isso, resta o Bruno, Macarrão, Bola e cia.

    Eis minhas ( tolas)considerações, gostei bastante daqui.

    Abs!

    ResponderExcluir
  46. Olha....tá ganhando uma porrada de fãs hein!?!?
    Parabéns mais uma vez e estou por enquanto queimando minha lingua em um assunto de suma importância...BUGRE!!!
    Pra quem provocou dizendo que seu time seria rebaixado até a terceira ou quarta rodada, até que estou me enganando bastante!!!
    A propósito, por falar em previsões furadas ou certas...Não vai ter nenhum texto da Copa, Polvo Paul, Felipe Melo????
    Bjus minha querida!!!
    P.S.: Perdi da Lusa nesse fim de semana!!!

    ResponderExcluir
  47. por isso q te acho a melhor colunista desse blog

    ResponderExcluir
  48. Imaginamos como será o mundo daki uns 20 anos ...

    ResponderExcluir
  49. Eu acredito que a falta de valor das pessoas, a falta de integridade, de respeito, de moralidade, de ética, entre outros princípios basilares de uma boa conduta humana que tornam os nossos noticiários cheios de matérias como da Eliza. Porém, não é de agora que essas atrocidades estão acontecendo, mas só está piorando, pq o ser humano está deixando de SER humano.

    Muito bom o blog de vcs. Parabéns.

    Aguardo a visita de vcs no meu refúgio. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  50. Nossa nunca tinha pensado desta manneira, vc me fez viajar num roteiro de filme, prabens vc realmente escreve muito bm.

    ResponderExcluir
  51. Absolutamente perfeito.Dez.

    ResponderExcluir
  52. Nem tenho o que falar, disse tudo, realmente.

    ResponderExcluir
  53. O mais triste de tudo, é que ela não será a últina e óbvio, não foi a primeira.

    ResponderExcluir
  54. Olá Mulherices,td bem?
    GOSTEI TANTO DO SEU TEXTO que enviei o link pro meu namorado, que concordo muitissimo com seu ponto de vista, antes mesmo ele já havia demonstrado semelhante opinião.
    Obrigada pela visita no meu blog e verdade:cinza é suuper elegante e ao mesmo tempo despojado.
    Bjs ;*

    www.priscilainfashionland.blogspot.com

    ResponderExcluir
  55. Mais um crime-espetáculo. Mais uma tragédia-midiática. E alguns já especulam qual será a próxima. Triste e real.
    O texto é uma alerta. Sem nenhuma proposta de resolver. Apenas alertar.
    Gostei muito!

    ResponderExcluir
  56. É, cara autora... já que minha opinião sobre o tema seria pura repetição de idéias -- eu também não me compadeço por "cadáveres superstars" -- aproveitarei o espaço para fazer algo que poucos dos seus textos me dão a oportunidade de fazer: Chamá-la de Poliana.

    Sim. POLIANA.

    Porque creio, sinceramente, que parte de suas intenções aqui são completamente jogadas ao vento. Especificamente, seria muita inocência sequer imaginar que alguma dessas golpistazinhas baratas -- ou mesmo as caras -- se dediquem à leitura de uma revistinha da Turma da Mônica -- quanto mais à leitura de textos que fazem pensar, como os publicados neste blog. Meu ponto, em resumo: Tentar fazer pensar aqueles que, "por profissão", não pensam, é dar tiro n'água.

    Mas o texto? Espetacular, como sempre. Não me canso de ler o Mulherices -- parabéns a todos os envolvidos.

    Fabio Piva
    http://paciencianegativa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  57. Parabéns, arrobinha!Concordo em Genero, numero e grau! nao tiro, nem ponho uma palavra sequer. Você escreve muito bem. Frases precisas, diretas e bem criativas para falar sobre um assunto bastante complicado. Infelizmete, casos piores acontecem no Brasil e nós temos conhecimento... o povo adora uma desgraça...

    ResponderExcluir
  58. Tenho que concordar com suas palavras. Parte da culpa foi dela. Claro que a morte não justifica, mas como disse no texto, não dá para criar "laços com um monstro" e esperar algo bom em troca. Uma pena, pois uma moça bonita como era poderia ter sucesso em outras áreas, mesmo que usufruisse apenas dessa qualidade.

    ;*

    http://musikaholic.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  59. Adorei seu blog, de verdade. Já estou seguindo, beijo!

    ResponderExcluir
  60. Passei para desejar um Feliz Dia dos Amigos.
    Estou seguindo vcs. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  61. Éa! Alguém, enfim, atentou pra essa parte camuflada para os cegos alienados do nosso país. E novamente - infelizmente - a gente percebe um pensamento idiota arraigado na cultura 'popular'. Claro que pode ser motivo de indignação, mas só isso é bastante inútil. O caso da Elisa assim como tantos outros só vêm enfatizando algo que, pelo instinto de justiceiros, acaba desaparecendo do foco. Eu agradeço meu pai por me explicar de forma bem simples como esse mundão é, mesmo que ele queira me manter numa redoma. "Estude, minha filha, para que você não tenha que depender de um homem para se manter e para ser valorizada, pois quando estabelecer um relacionamento, que a condição de estarem juntos seja um bom sentimento". Essa recomendação é bastante compreensível, é fato, é explícito... mas ainda assim, mulheres, garotas, não possuem massa cinzenta o suficiente para pensar com uma razão digna. A idéia de ser sustentada, mesmo que isso não seja a partir de qualquer golpe, sem ter que doar-se em esforços é uma proposta tentadora. ¬¬

    Obrigada pelo comentário no meu blog! *-*

    Amei o texto em todos os quesitos!

    ResponderExcluir
  62. O dia em que a blogueira diferenciar mal de mau, nós conversamos. O algoz não era um bandido. Era um goleiro famoso. Quem, em sã consciência, iria imaginar que atrás da camisa do Flamengo, havia alguém disposto a matar? É simplificar demais. E o caso ganharia as manchetes de qualquer maneira, fossem ela ou ele pobres de marré-de-si, pela violência do crime. Não é todo dia, que alguém morre, é esquartejado e jogado aos cães. Talvez no Irã isso seja natural. Aqui ainda não. O resto do post tem um pouco de revolta da revista "Capricho" com toques de feminismo tardio. Pelo jeito, os leitores amigos gostaram. Mas eles não contam, né não?

    ResponderExcluir
  63. Bem,o texto é bom.Centenas de mulheres são vítimas todos os dias de algum tipo de violência por parte de seus companheiros,e concordo que é uma verdadeiro sensacionalismo nesses casos,mas se esses casos fossem fatos isolados entre os pobres talvez a sociedade nem ficasse sabendo que a violência contra mulher vem crescendo e fazendo um contraponto a lei Maria da Penha que tem a função de nos proteger,mas,quem executa a lei não o faz,então vejo como positiva a forma explicita que a mídia vem apresentando esses casos.Veja o caso Daniela Perez ocorrido ha anos,a mãe Glória Perez aproveitou-se desse espaço que tinha na mídia e conseguiu mobilizar a sociedade e a justiça e ai mudou-se a Lei de Crimes Hediondos..sempre tem um lado positivo nos fatos.

    ResponderExcluir
  64. Acontecimentos assim só reforçam minhas constatações. As pessoas estão cada vez mais doentes, psicologicamente falando.Todos os dias encontro pessoas cada vez mais piradas, falando e fazendo coisas absurdas. É um câncer chamado homem.

    ResponderExcluir
  65. Retribuindo a visita ao Teoria do Playmobil, adoro receber a visitinha de vocês, com comentários construtivos.

    ResponderExcluir
  66. "Amici, ad qui venisti?" As vezes temos que falar em latim para sermos compreendidas.Hoje estou assim. Esta expressão tem a seguinte tradução: "Amigo, a que vieste?" Algumas pessoas a gente tem mesmo que questionar a existência, o que não é o seu caso. Para mim, pobre mortal,sei qual é sua finalidade embaixo do sol e da luz neste planeta: ser uma missionária da verdade. E estamos precisando. Seja sempre abençoada! Saravá!

    ResponderExcluir
  67. Nossa muito bom, não sei pq mas lembrei do texto que li de Stella: "justiceiros", a televisão conduz a massa (que parecem não ter a capacidade de discernimento) e o assunto fica no ar chocando as pessoas que na realidade cometem as mesmas fraudulências que Elizas e Lucianas até aparecer outro assunto da classe média. Assustada e indignada eu fico todos dias quando me pego assistindo ao programa "na mira" aqui Bahia. Parece que veremos muitas reportágens sobre "pegas" ou/e "rachas" nessas semanas.
    obrigada pela visitinhaaaa
    ADOREI

    ResponderExcluir
  68. A atitude da Eliza tem um nome:falta de perspectiva de um futuro melhor. Muitas acreditam ser esse o modo mais seguro de ter uma vida tranqüila. E o fdp(bruno) se acha superior e que nada vai acontecer, pois está acima de tudo e de todos. A TV é um verdadeiro urubu em cima de sensacionalismo e o povão avido por sangue. Lamentável.

    ResponderExcluir
  69. Sensacional!
    Há muito tempo não lia algo que fizesse tanto sentido.
    Parabéns pelo post!
    bjs

    ResponderExcluir
  70. Muito bom.
    Só discordo de vc em um ponto: a Luciana Gimenes não é pouco inteligente não. Ela é brilhante! Engravidar do Mick Jagger e dando só uma??? Fala sério! Burra sou eu que dou de graça e engravidei de um estudante que não tinha onde cair morto. (mas o filho que eu ganhei é o melhor e mais bonito do mundo!!!)
    Parabéns pelo post. Estarei sempre acompanhando daqui pra frente.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  71. Oi Lilian

    Tem um presente pra todas vcs no meu blog!

    Abração

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  72. oi Lilian, obrigada pela visita no meu blog!
    Concordo com o que vc escreveu, as pessoas colhem o que plantam. Esta moça tinha todos os indícios que isso poderia terminar mal, mas não teve capacidade p/ perceber ou não quis, deu chance ao azar. C/ algumas exceções, geralmente este tipo de crime já é previsível, e as pessoas se expõe de uma maneira que não dá p/ entender.
    Mas concordo tb com o comentário de um leitor aí, que a delgaciaa da mulher nada fez p/ evitar a tragédia, assim como em outros casos. Eles ainda tem muuuuito a evoluir para começar a ajudar as mulheres que sofrem de agressão.
    Abçs

    ResponderExcluir
  73. Como sempre fantástico os textos desse blog. Já estava com saudade daqui, passei um tempão fora, voltei agora a blogosfera. E quanto as Elizas elas sempre vão existir, e as tragédias tmb, e a mídia sempre vai mostrá-las exaustivamente. Julagá-la não vou. Acho o que ela sofreu nenhum ser humano merece sofrer nem mesmo os seus próprios algozes.

    ResponderExcluir
  74. APLAUSOS!

    Gostei muito do seu texto e ainda mais de você ter dado "nomes aos bois", diferente do último texto postado no blog!

    SENSACIONAL!

    Adoro seus textos, limpos, reflexivos, coerentes, dignos de alguém com idéias e expor!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  75. Me assusto AINDA com essas coisas... Como sempre levantou uma bola que as pessoas não querem, não têem coragem e não assumem realmente o que pensam. Perfeito...de novo! Parabéns! Te gosto!
    Beijinhos
    Natynha

    ResponderExcluir
  76. Isto é excepcional... e nós proporciona a chance de refletir em coisas não muito longe de nosso "cotidiano".
    Por que algumas mulheres, como eu não vivenciamos uma realidade, que tenham "flashes" e glamour, mas que posso traçar uma linha com a cruel realidade aqui exposta, apesar de não usarmos o corpo para termos o que queremos, somos vistas como "gado" em leilão o que revela que nada que tenhamos de bom dentro da cabeça vai ser visto como um quesito para um "bom" comprador... se e que podemos dizer bom nesta linha de raciocínio...
    A culpa, não sei, Lilian, se é apenas dos Algozes, pois existem escolhas, e não podemos dizer hoje que as escolhas não são acessíveis a maioria, com a interativa da internet temos a chance de talvez escolher não ser o "gado".
    Às vezes tenho a nítida certeza de perder uma chance de emprego por não ter a aparência “modelo” que foi criada!
    Hei meninas..não somos idiotas por perder 4 horas no trem para trabalhar tão longe de casa, por ler um bom livro num final de semana, por estudar e ir a fundo em algum tema que nos interesse, por perder alguém que gostamos por não mostrarmos nossa carcaça e o sim que tem dentro!!!!
    Nós somos as espertas, entende!!! E não as Elizas seja lá de quem for a culpa , nós fizemos nossas escolhas!

    ResponderExcluir
  77. Adoro o Mulherices porque os textos sao atuais e variados Parabens, mulheres.

    ResponderExcluir
  78. renatocomazzetto@gmail.com25 de julho de 2010 20:17

    Suas colocações, melhor dizendo, indignações foram extremamente bem pertinentes. Acredito que realmente toda essa inversão de valores venha somente a piorar essa situação...E o pior é sabermos que na realidade nada muda, ela foi somente a "azarada da vez""...Como essa outras virão e como ele sempre terão...
    No tocante ao papel da mídia em tudo isso, infelizmente temos profissionais incompetentes em todas as áreas...O que ocorre é que nesse caso - mídia - a propagação de informação fútil ou deturpada é alastrada cada vez mais rapidamente...

    ResponderExcluir
  79. Nossa... uma amiga indicou o blog e adorei... parabéns por este artigo! Falou e disse

    ResponderExcluir
  80. Como sempre, a Lilian arrasa nas publicações. Faz refletir, pensar e agir. Parabéns!

    ResponderExcluir
  81. Show de Bola a cronica, o tema muito bem escolhido !

    Cronica certa, pro momento certo. Muitas vezes já me refleti sozinho sobre esses fatos.

    Interessantissimo !

    Parabéns Lilian !

    ResponderExcluir
  82. Concordo totalmente. O dinheiro, ainda que nos traga tantos confortos, é muitas vezes motivo para se tirar uma vida.
    E a imprensa não está preocupada em conscientizar as pessoas ou colocar os criminosos na prisão. Por que se fala tanto no caso Bruno e não se fala em tantos outros casos de agressão e assassinato? Porque claro, o Bruno é famoso, gera audiência. Infelizmente o dinheiro move ações, atitudes, atrocidades.

    ResponderExcluir
  83. excelente colocação!!!!
    A eliza, mercia , daniela perez são que temos conhecimento pela mídia.
    E as Elizas, mercias que não sabemos !!!!!!!!!!!!!!!

    Parabéns

    ResponderExcluir
  84. Muito bem mencionado sobre as muitas mulheres que são obrigadas a suportar os maus tratos de maridos e pais..
    Certamente para Eliza , a Lei Maria da Penha não teve nem teria a menos sernetia, caso contrário ao de milhares de Elizas , Mercias e outras ilustres.

    ResponderExcluir
  85. Realmentee muito bom esse texto mostra fatos que muitas pessoas ve nu dia a dia e nem falam nada por exemplo os maus tratos aquelas que completam nois homem parabens muitos bom !

    ResponderExcluir
  86. Caiu meu queixo!
    Eu acho que foi um dos senão o melhor texto que já li em termos de clareza dos fatos e explosição das idéias. Ser fã é ser fanático? Quero me declarar a partir de agora seu fã. Não sei se devo. Digamos que, como diz o Pasquale, o que você explanou, é isso.
    Parabéns!
    P.S.: Vou precisar de um tratamento ortodontico.

    ResponderExcluir
  87. parabéns!seu texto nos faz refletir no quantidade de mulhres q estao sofrendo violencia neste país sem ter quem as defenda ou mesmo lhes faça justiça!
    direto, contudente e real!

    ResponderExcluir
  88. Olá, muito obrigada por visitar nosso blog http://naomaisquetressemanas.blogspot.com

    Adorei o de vocês, muito obrigada pelas boas vindas. Uma ótima semana !

    ResponderExcluir
  89. Como sempre mais um texto inteligente!
    Meninas parabéns!

    =D
    Lili, vc arrasa.


    te indiquei para um amigo, olha o blog dele:
    http://sujeitomacho.blogspot.com/

    bj

    Sucesso!

    ResponderExcluir
  90. Pois é!...
    Podem me prender, podem me bater, que minha opinião não muda.
    Muita gente envolvida nesse sumiço...só por uma pensão e confirmação de paternidade...NÃO!
    Tem muita mato nessa moita, grama crescida mesmo!
    Ainda mais...lei Maria da Penha, e lei Antonio João não né?...claro, qual homem iria se dispor a isso?...ir à uma delegacia denunciar uma mulher que o agrediu? no mínimo sairia de lá com uns tabefes no meio da cara. E é com conhecimento de causa, falando de cadeira!Ok!...isso fica pra outro momento.
    Como gostaria que essa Elisa aparecesse em algum lugar desse mundão!...
    E deixando claro, não estou defendendo o goleiro, nem apoiando um crime (caso haja)
    Quem é o culpado(a)? Qual foi o crime mesmo?

    ResponderExcluir
  91. Assinando em baixo... bem em baixo mesmoo...
    hauhauahauha

    ;D

    ResponderExcluir
  92. Curti o texto, foi bem escrito e poderia assinar embaixo tudo que foi dito em termos gerais!
    Vamos ver o que rola nesse caso específico da Eliza, tem muita poeira embaixo desse tapete, tem muita coisa mal contada ainda, mas enfim, coitada mesmo é da criança!

    T+

    ResponderExcluir
  93. A "profissão" Maria chuteira é antiga e perigosa, as moças sabem disso e se divertem com jogadores que gostam de farra fora do casamento. Ela deu azar de pegar um jogador desiquilibrado, que este idiota fique preso pelo acontecido e pelo futebolzinho que joga.
    Seu texto é perfeito, bem escrito, sou suspeito de falar...

    ResponderExcluir
  94. Eu concordo esses dias disse que esta menina morreu foi é de burrice minha mãe quase me colocou pra fora ! não sou fria acho horrivel a forma que ela se foi e ninguem merece isso mas quem procura acha

    ResponderExcluir
  95. Pois é também acho horrivel o que aconteceu com essa moça, mas ela foi uma anta em ir atrás do cara! Pô existe advogados e justiça para resolver esse tipo de casos.

    ResponderExcluir
  96. Sabe que, ano passado, lembro-me claramente quando uma colega de classe citou o caso da Luciana, dizendo mais ou menos assim :" Todo mundo acha que ela é burra, mas, na verdade, ela é muito i-n-t-e-l-i-g-e-n-t-e ( ela enfatizou a palara)! Olha só, teve um filho com o Mick Jagger e ainda se casou com o dono/diretor/alguma coisa da RedeTv!"

    Depois de ouvir algo de alguém com certo nível cultural eu vi que chegou o tempo de ter conceitos subjetivos para inteligência, esperteza..

    E, em tempo, fico bem triste por viver em um lugar em que ser esperto é aplicar golpes, ser inteligente é ser esperto, e seguir caminhos mais pensantes e com menos jeitinhos é estupidez.

    Parabéns pelo texto =), ficou incrível!

    ResponderExcluir