sexta-feira, maio 13, 2011

Cagaço do cagaço

Por Lilian Buzzetto

União Civil Homoafetiva aprovada. Meu Supremo, aprovadíssimo!

Após muita manifestação e muita pressão, homossexuais conseguiram o justo direito de tomar decisões pessoais e intransferíveis sobre com quem parear sem a interferência do Estado. Aplausos! Parabéns pela conquista de algo que deveria ser óbvio! E blá-blá.

Mas isso é assunto batido e meu jornal já tem um monte de reivindicações novas - então, mudando de pato pra ganso, como tento estar atualizada, vou aderir à moda e dar uma queixadinha aqui [a lá Raul, que já saiu de moda]:

EU PROTESTO. [É tendência!]

Protesto contra beijos públicos e BEIJAÇOS acalorados entre dois ou mais indivíduos. Seja homem com homem, homem com mulher, ser humano com jegue: levanto bandeira contra o mão-naquilo-aquilo-na-mão-língua-na-orelha-aquilo-no-umbigo-ai-que-calor na minha fuça se eu não estiver envolvida.  Bitocas e beijinhos carinhosos? Tudo bem. É passável se a atracação ocorrer em canto escuro de balada, rua sem saída, última cabine de um banheiro esquecido... Vale UM beijo cinematográfico em momento de comoção. Mas grito pelo direito de não ser ver as partes de ninguém na praça de alimentação do shopping ou aguentar barulho de saliva e exposição de úvula no trem às 7 da manhã

Protesto contra o MAMAÇO. Da última vez que eu chequei, seio era parte pudenda e devia ser mantido sob a roupa. Acho uma boa idéia alimentar o filhote! Faz sentido. Mas é tão difícil procurar um cantinho, o carro, uma salinha, um biombo [Biombos eram úteis, não? Deveriam voltar à moda. Eu acho.] Enfim, amamentação é natural, necessária, louvável, recomendável, saudável... Mas a parte do bonito é contraditória. Aposto que se uma mãe pedir um banquinho em uma localidade discreta para dar de mamar, ela será atendida em quase qualquer tipo de ambiente.

Nesta linha, meu lado visionário já se posiciona contra a exibição do lindo ato que une corpos e espíritos na grande comunhão de almas gêmeas que buscam o milagre da concepção da vida, a elevação pelo prazer ou a satisfação do próximo mais próximo. Demito-me da raça humana no dia do FODAÇO – e sem cumprir aviso prévio.

Em antecedência, digo NÃO a futuras gestantes parindo de maneira natural: de cócoras agarradas a arvores em praças públicas ou ao coqueiro de praias lotadas. A chegada de uma vida ao mundo é sublime-milagrosa-blá-blá... mas eu não preciso testemunhar.  

Já deixo o protesto contra o direito à vida do primeiro cidadão que propuser a reativação daquelas privadas coletivas da Roma Antiga. Posto que cagar também é natural, prefiro deixar bem clara minha posição a respeito. Cogito criar uma ONG em defesa das divisórias do banheiro antes que seja tarde. Começo a temer desesperadamente o CAGAÇO.

Por fim, protesto contra essa quebra desenfreada de tabus – eles permitem a existência da civilização e tal e coisa. Não sou muito fã da sociedade em todos os seus aspectos, mas acho que essa história de ser moldado pela cultura é o melhor plano que temos no momento.

Menti quando disse no início que era moderna: sou arcaica e morro de saudade daquela coisa “démodé” – a intimidade. Defendo o direito de cada um fazer o que lhe apetece, assim com luto ferrenhamente pela manutenção e uso do que considero a maior invenção da humanidade: AS PAREDES!

Como não tenho vocação pra acampar e não quero usar sabugo de milho como papel higiênico, eu vou embora daqui antes de imaginar o que vai acontecer quando o povo do “natural-logo-sublime-logo-sem-motivo-para-se-envergonhar” encontrar os ecochatos que acham que o certo é uma árvore por metro quadrado. Adeus. 


(*) Pra quem não ligou o nome à pessoa, a foto lá no alto da postagem é de privadinhas coletivas, muito usadas na Roma antiga ... é, assim mesmo, ao ar livre, todo mundo junto.

Por sugestão da Lilian Buzzetto, hoje tem uma canção apropriada ao momento brasileiro.

"Eu também vou reclamar", Raul Seixas. 



27 comentários:

  1. Sou suspeito pra falar, ainda mais quando eu leio antes a bagaça... Mas... Por que só foi postar hoje?

    ResponderExcluir
  2. É... Eu também ando meio de saco cheio dessa atual necessidade de "quebra de paradigmas". Tá enchendo muito, e faço minhas as suas palavras.

    ResponderExcluir
  3. Oiiiii
    já publiquei seu comentário lá...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. oown, eu vim retribuir o lindo comentário que vc fez e meu blog, é muito bom ler isso!! Eu gosto bastante daqui! *-* bjs

    ResponderExcluir
  5. E o post ótimo, como sempre! muito bem trabalhado1 amei *-*

    ResponderExcluir
  6. Devo confessar que sou apaixonada pelas mulherices?
    Acho que tá na cara, né!

    Amo demais esse blog, você são fodonas! (E esse post particularmente é incrível! Faço de suas palavras as minhas)


    Até mais!
    Beijinhos e cósquinhas da http://iampurplepineapple.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Uma grande conquista para os homossexuais.
    Mas só existe uma forma de conseguir o que queremos que é reinvidicar, mas infelizmente as pessoas não fazem.

    ResponderExcluir
  8. Acho que só eu impliquei com o fato de o SUPREMO estar novamente fazendo papel de Congresso no Brasil. Então sou pelo CONGRESSAÇO, movimento para que aquela cambada mal ajambrada de sacanas e filhos da puta trabalhe de segunda a sábado, com um mínimo de "ajudas de custo" e "diárias", normalmente gastas em casas da mãe joana e cruzeiros hedonistas!
    Ah, belíssimo texto, como sempre Lillian
    Hugo
    www.hugopt.blogspot.com - Sem Anestesia

    ResponderExcluir
  9. hauahuaha
    gostei desse seu post!
    acho que o mulherice se superou aqui hein?
    abraços!

    ResponderExcluir
  10. Abaixo as Paredes!
    Pela tradição chinesa do Cagaço público, tenho dito. :)

    ResponderExcluir
  11. Paredes, paredes... de concreto e de pensamentos! Pela privacidade, pela privada cidade livre...

    ResponderExcluir
  12. Acho engraçado... É só falar em homossexualidade que começa um discurso infindável de pessoas conservadoras. Como se a união afetiva que foi aprovada abrisse as portas para a promiscuidade.
    Nem sei no que mais concordar, na privacidade pública, na liberdade pública...(Deixa eu parar de filosofar...)
    Mas como dizia Jonh Lennon: " Vivemos num mundo onde temos que nos esconder para "fazer amor", enquanto a violência é praticada em plena luz do dia."

    ResponderExcluir
  13. EU AINDA SOU ADEPTO DO USO DE PAREDES. VCS FRAM LÁ PEGAR O SELO???? GOSTEI DA POSTAGEM. E ITALIANO ÉMUITO SEBOSO. ONDE JÁ SE VIU PRIVADAS COLETIVAS??? ECAAAAAAAA


    http://thebigdogtales.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Eca, que nojo. Eu acho terrível essas privadas coletivas.
    Ri horrores quando você fala das demonstrações de carinho em público, seja de homem com homem, mulher com mulher ou homem com mulher (nossa, fiquei até tonta com tantas opções...rs)
    Para os três casos, acho constrangedor ver um casal se amassando em público, sem falar que as pessoas perderam o pudor.

    Cara, gostei pra caramba daqui. Parabéns!
    Até mais!

    ResponderExcluir
  15. Tem um video de casamento de um afilhado da minha mãe, onde eu, no alto dos meus 8 anos de idade, estou em frente aos noivos e ao lado do câmera. A cena é a seguinte: eles cortam o bolo, todos aplaude, eles beijam, não param de beijar, eu vejo duas línguas melequentas se mexendo na minha frente e grito: Ui! Que nojo!
    Todos riem. De mim. E as pessoas em volta dizem: um dia vc não vai achar nojento.
    Pois então, tenho mais de 30. Sou casada, tenho um filho, um enteado, e... continuo achando nojento!
    Claro que eu adoro beijar na boca, de língua, com mão passando naquilo e aquilo na mão. Mas éca pra esse povo que insiste em jogar suas intimidades na nossa cara. Arrumem um quarto!

    Excelente texto, dona Lilian. Concordo com everything que vc escreveu aí.
    bj

    ResponderExcluir
  16. Não quero mais vir aqui, sempre concordo com o que a Lilian Buzzetto escreve... Devo discordar para não parecer bajuladora?
    Estou grávida e pretendo amamentar e muito a minha filha e se precisar, que seja num shopping, num restaurante, mas com certeza terei o cuidado de colocar um pano, uma manta, uma coisa e bem comprida por sinal para me dar privacidade, porque apesar de ser um momento lindo, é só meu, e não preciso ficar mostrando as "tetinhas" por aí... Isso não me fará menos mãe, nem me torna uma puritana, só não tenho toda essa “peroba na cara” de dividir tamanha intimidade com qualquer estranho por aí.
    Falta senso nas pessoas de se reservarem, de terem mais vergonha e de entenderem que não ser hipócrita não significa se expor por aí com as naturalidades da vida, seja no fazer, ou em algo que a Lilian não colocou mas que todo mundo já deve ter vivido, que é estar em um ambiente com um “naturalista” narrando suas intimidades em alto e bom som sem se importar quem está escutando, isso é um assédio moral aos meus ouvidos. Longe de mim ser santa, sou pecadora nata, mas tive a sorte ter uma boa dose de “semancol” e outra de sensatez no meu leite materno, aquele que minha linda mãe me forneceu e que com certeza o fez sob um paninho quando esgoelei de fome em locais públicos.
    Não vou elogiar muito o texto também pra não me chamarem de fã da Lilian Buzzeto... rs
    Excelente texto, voltarei no próximo para discordar.
    Dani

    ResponderExcluir
  17. POSSO POSTAR NO MEU BLOG ISSO?

    ResponderExcluir
  18. MOÇOILAS DO MULHERICES. TEM UM SELO NO MEU BLOG PARA VC. VAI LÁ BUSCAR.


    http://www.thebigdogtales.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. o número 2 do Vai que cola já tá no ar. dá uma conferida e diz o que axas!
    hauahahhua

    bj

    ResponderExcluir
  20. Srt Buzzetto
    Lamento informar, mas a fumaça do seu cigarro me incomoda muito mais do que ver uma mãe amamentando seu filho em praças públicas!

    ResponderExcluir
  21. Acho que, por alguns ângulos, você tem razão. Tem coisa pública de mais nessa vida, já. A muuuuito tempo atrás, tudo era público. A alguns séculos atrás, tudo se tornou privado. As paredes foram inventadas pra proteger do frio, mas a gente aprendeu a fazer outro uso delas. Pode ser bom ou ruim, mas a idéia metafórica do conservadorismo, da manutenção de tabus e barreiras, é preocupante. Não que seu texto seja conservador, aliás, não é. Só enxerga a realidade de forma diferente. Analisar (e criticar, no sentido de avaliar) o radicalismo é tão importante quanto o fazer com o conservadorismo. Gosto muito dos seus textos porque acho que você faz isso com uma coragem que poucos apresentam.
    Sou tão indignada quanto, sofro o mesmo tanto, talvez por questões outras, de vez em quando pelas mesmas. Mas o ponto é que saio do privado e entro no público, e agora também coloco minhas angústias num blog, ainda não sei bem por quê. Se precisar descansar a cabeça e sair da realidade (talvez?) um pouco, passe lá:
    http://devaneiosatoa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. Ô Lilian,
    li por aí que uma tal de Lola está sendo processada pelo CQC por ela ter xingado todos a partir de comentários deles exatamente sobre esse assunto. Como não assisto canais baixos, não sei bem os detalhes da coisa. Só sei que os tais comentários do CQC foram praticamente os seus.
    Interessante, não...?
    Dá-lhe garota!
    Abs,
    Tiago.

    ResponderExcluir
  23. TEM UM SELO PARA VOCÊ LÁ NO MEU BLOG. VAI LÁ BUSCAR RÁPIDO, POIS EU VOU EXCLUIR A POSTAGEM DO SELO EM SETE DIAS. DIA 11/06/2011 O SELO NÃO VAI ESTAR MAIS LÁ. CORRA!

    http://www.thebigdogtales.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Olá! Vc's conseguiram pegar o selo? Eu perdi o prazo, só entrei hoje : /
    Bem... Achei o blog de vc's pelo orkut, e AMEI! Blog feminino com conteudo de verdade anda dificil de se achar.
    Dando aqui meu apoio contra a quebra exagerada de tabus, contra a pegação em público, privadas ao ar livre e enfim...
    ---------------------------
    Se puder, dá uma olhadinha no meu
    http://rabiscosaleatorios.blogspot.com
    Thanks

    ResponderExcluir
  25. Olha,,,,essa foi ótima, fiquei idealizando os banheiros coletivos, ainda no inteirior do Estado de SP vc ainda encontra alguns...kkkkkk

    ResponderExcluir